História
  • 2014 O argentino Diego Schwartzman foi o campeão da quarta edição do ATP Challenger Tour Finals, realizada pela primeira vez na nova quadra coberta do Esporte Clube Pinheiros.

    Na final, ele derrotou o brasileiro Guilherme Clezar, por 6/2 e 6/3, e levou a premiação US$ 84.900, além de 110 pontos no ranking da ATP.

    Com a conquista, Schwartzman disparou no ranking mundial. Ganhou 16 posições e alcançou o melhor ranking de sua carreira até então.

    Grande promessa do tênis argentino, Schwartzman viveu uma temporada brilhante, com cinco títulos de Challenger: Aix em Provence (França), Praga (República Tcheca), San Juan (Argentina), Campinas e o ATP Challenger Tour Finals, em São Paulo.

    Um dado curioso: o argentino é o tenista mais baixo no top 100, com apenas 1,70m.
  • 2013 Na terceira edição do ATP Challenger Tour Finals, o italiano Filippo Volandri coroou sua ótima temporada com o título da competição, realizada na Sociedade Harmonia de Tênis, em São Paulo. Na decisão, o experiente tenista derrotou de virada o colombiano Alejandro Gonzalez, com parciais de 4/6 6/4 6/2.

    Este foi o terceiro troféu do circuito Challenger de Volandri na temporada 2013. O ex-número 25 do ranking se sagrou campeão em Milão e em Orbetello, ambos na Itália, além também de ter ficado com três vice-campeonatos.

    Para conquistar o inédito título, o italiano estreou com vitória sobre o holandês Jesse Huta Galung. Na sequência, foi derrotado por Alejandro Gonzalez, que viria a ser seu adversário na final, em sets diretos. Na terceira rodada, Volandri superou com autoridade o eslovaco Andrej Martin e garantiu vaga na próxima fase.

    Nas semifinais, o italiano contou com toda sua experiência para derrotar o russo Teymuraz Gabashvili, principal favorito do torneio, e seguiu confiante para se tornar o campeão da competição, receber o prêmio de U$ 84.900,00 e contabilizar mais 110 pontos no ranking. semifinais.
  • Almagro assegurou sua hegemonia no Brasil Open Na segunda edição do ATP Challenger Tour Finals, pela primeira vez, um sul-americano sagrou-se campeão. A raça a vontade argentina foram determinantes para Guido Pella conquistar, até aqui, o maior título de sua carreira Apontado como uma das maiores promessas de seu país, Pella encarou o romeno Adrian Ungur e venceu por 2 sets a 1, parciais de 6/3 6/7(4) 7/6(4), em um lotado Ginásio do Ibirapuera, conquistando pela primeira vez, uma vaga entre os 100 melhores tenistas do ranking.

    Para alcançar o título, o argentino garantiu grandes resultados durante o torneio. Logo na primeira rodada, Pella obteve uma grande virada sobre o brasileiro Thomaz Bellucci, então favorito ao título. Após uma derrota, justamente para Ungur, o argentino teve de vencer o espanhol Rubén Ramirez Hidalgo para alcançar a vaga na semifinal. Na fase decisiva, Pella conquistou grande vitória contra Victor Hanescu, em sets diretos, parciais de 7/6(3) 6/2 para enfrentar o romeno e garantir o título, a premiação de US$ 84.900,00 e acumular 100 pontos no ranking.
  • O bi de Almagro O alemão Cedrik-Marcel Stebe coroou sua ascensão meteórica no circuito da ATP em 2011 com o maior título de sua carreira até aqui: o do primeiro ATP Challenger Tour Finals, em São Paulo. Na final diante do israelense Dudi Sela - que lhe havia imposto sua única derrota da semana, na partida de estreia -, Stebe foi agressivo, controlou toda a partida e conquistou o título com uma vitória por 6/2 6/4 num Ginásio do Ibirapuera lotado.

    No início de 2011, Stebe ocupava a 375ª posição do ranking da ATP e começou a temporada disputando torneios da série Future. Durante o ano, o alemão brilhou no circuito Challenger, conquistando os títulos de Bangcoc (Tailândia) e Xangai (China), e se classificou para o ATP Challenger Tour Finals como 103º do mundo – posição que deve melhorar ainda mais com os 110 pontos que somou por sua campanha vitoriosa em São Paulo. A premiação total de Cedrik-Marcel Stebe no torneio foi de US$ 84.900,00, enquanto Dudi Sela embolsou US$ 39.900,00, além de 60 pontos no ranking. A decisão em nada se pareceu com a partida que abriu o torneio, em que Sela se aproveitou dos erros do alemão e levou a melhor dois sets.

    Depois daquela estreia, em que admitiu estar nervoso, Stebe aumentou o nível de seu jogo e conseguiu três vitórias seguidas – a última delas, uma batalha de mais de 3h na semifinal diante de seu compatriota Andreas Beck. O ATP Challenger Tour Finals reuniu os sete tenistas que mais conquistaram pontos em torneios da série Challenger ao longo da temporada 2011, além de um convidado do país-sede – no caso, Thomaz Bellucci.

    O Grupo Verde do ATP Challenger Tour Finals reuniu o brasileiro, o eslovaco Martin Klizan (90º do ranking da ATP no momento da inscrição), o alemão Andreas Beck (105º) e o norte-americano Bobby Reynolds (121º). Já o Amarelo teve o português Rui Machado (73º), o israelense Dudi Sela (95º) e os alemães Matthias Bachinger (109º) e Cedrik-Marcel Stebe (103º). Os jogadores se enfrentaram dentro dos grupos em sistema Round Robin – todos contra todos – e os dois primeiros colocados de cada chave se classificaram para as semifinais.